Home / Mulheres do Cangaco / Cangaceira Dadá

Cangaceira Dadá

 

<
>

Cangaceira Dadá

Quando falamos da força e coragem da mulher nordestina, não tem como não lembrar de Sérgia Ribeiro da Silva , que no Cangaço ficou conhecida pela alcunha de Dadá. Ela nasceu no dia 25 de abril de 1915 em Belém do São Francisco, Pernambuco. Mudando posteriormente para a Bahia. Foi raptada e estuprada por Corisco aos 13 anos de idade. Passou a residir na casa de uma tia de Corisco chamada Vitalina ,onde ficou por quase 3 anos. Sempre que podia Corisco a visitava e levava jóias, cortes de pano , dinheiro e perfumes. Ela sempre desconfiada, retraida e com raiva de Corisco. Aos poucos ele foi conquistando Dadá. Com ele ela aprendeu a ler , escrever e atirar. A partir de 1930 com a permissão de Lampião para a entrada das mulheres no Cangaço, passou a acompanhar Corisco. Com grande habilidade para a costura , deu cor e vida a indumentária do Cangaço. Foi admirada e respeitada até mesmo pelo rei do Cangaço Lampião. Forte e corajosa, foi a mais valente das cangaceiras e a única que participou de combate. Com Corisco teve sete filhos todos nascidos no meio das caatingas, dos quais sobreviveram 3. Silvio Bulhões , Maria Ducarmo e Maria Celeste. Todos ainda estão vivos. Após a morte de Lampião ela e Corisco não se entregaram e viviam se escondendo com a intenção de conseguir fugir. No dia 5 de maio de 1940 ela e Corisco foram surpeendidos pela volante de Zé Rufino, Corisco veio a falecer, ela por conta do tiro no pé teve que amputar a perna. Ficou presa até 1942. Após ser libertada passou a criar suas duas filhas e casou-se novamente. Não teve filhos do seu segundo marido. Com amor e dignidade se dedicou a criar suas filhas e depois seus netos. Mesmo com parte da perna amputada consturava. Travou nova batalha após o fim do Cangaço. Conseguir que a cabeça de Corisco saísse do Instituto Nina Rodrigues e fosse enterrada. O que aconteceu em 1969.Nunca esqueceu Corisco que foi seu grande amor. Em suas entrevistas é visível a intensidade com que falava do seu relacionamento com Corisco. Faleceu na cidade de Salvador no ano de 1994. Seu nome ficou gravado na história do Cangaço.

 

Bibliografias Consultadas :
* Lampião As Mulheres e o Cangaço
* Vida, paixão e mortes de Corisco, o Diabo Louro
* Gente de Lampião : Corisco e Dadá

Fonte: (87) Historiografia do Cangaço

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do blog

comments

Check Also

A beleza da mulher cangaceira 

A bela Enedina, esposa de Zé de Julião   Há muitos anos, dominado pela minha ...